domingo, 4 de dezembro de 2011

O MISTÉRIO

Autora: Helena de Paula
E-mail: mhelenap66.Hotmail.com

Chovia muito naquela noite.
Eu estava dirigindo meu carro em uma estrada muito ruim.
Já estava acostumada a fazer esse trajeto nos finais de semana... Toda sexta feira à noite, quando eu saía da faculdade e seguia para a casa dos meus pais. Eles moravam numa cidadezinha do interior, que ficava a uns sessenta km distante da faculdade. Esse era o preço, ou eu enfrentaria essa viagem ou ficaria sozinho na república dos estudantes todo o final da semana. Eu nunca fui supersticiosa. Nunca acreditei em nada que não fosse palpáveis, assombrações almas do outro mundo nem pensar, sempre achei isso uma tremenda bobagem. Ainda mais na era da informática acreditar em algo assim, sinceramente não. Pois bem, eu seguia tranqüila, rádio ligada, para me fazer companhia eu ia ouvindo minha canção favorita ate que olhei no relógio e vi que faltavam alguns minutos para meia noite.

A estrada estava completamente deserta... chovia... A chuva cada vez mais forte, mal conseguia ver a estrada. Os raios riscavam o céu. O medo tomou conta de mim, mas eu não tinha outra escolha a não ser, seguir em frente... Derrepente o carro desgovernou por completo, um dos pneus estourou. Andei mais um pouco, consegui controlar o carro. Parei no acostamento em meio aquela escuridão total nao tinha outra escolha. Meia noite em ponto, um medo imenso se apoderou de mim, mesmo com o coração aos saltos eu saio do carro com um guarda-chuva que insistia em ser levado pelo vento. Poderia ficar ali um bom tempo que nao veria um carro se quer passar. Alguém teria que trocar o pneu, era eu ou era eu, não tinha escolha. A lágrima do medo escorria em meu rosto e se misturava com a chuva. Quando abri a mala para pegar o estepe senti uma mão pousando em meu ombro... E quase num sussurro ouvi! __Eu faço isso pra você! Naquele instante eu já nao sentia mais nada, nem medo nem susto. Fiquei ali olhando para aquele jovem que surgiu, não sei de onde, pois não havia nada por ali, nem carro nem moto, nada mesmo.

Era bem jovem, e tão habilidoso, que em poucos instantes ele trocou o pneu do meu carro. Foi aí que tive a idéia de pegar na minha mala, uma toalha para ele se enxugar, visto que a chuva não dava trégua. Dei a volta e abri a porta do passageiro e peguei na minha bagagem a toalha, mas surpreendentemente quando o voltei já havia desaparecido. Fiquei perplexa. Olhei ao redor, não via nada. Entrei no meu carro e segui em frente. Na manhã seguinte, enquanto eu tomava o café da manhã com minha mãe, vimos no noticiário local que o filho do prefeito havia se envolvido em um acidente de moto, e qual não foi minha surpresa quando vi que o jovem era o mesmo que me ajudou na estrada. Fiquei em estado de choque.

Minha mãe tentando me acalmar, com toda naturalidade me disse;
- Filha, os anjos estão em todos os lugares!

12 comentários:

Claudio Poeta disse...

Ótima leitura! - Parabéns! - Abração

Angel Mag disse...

Li com o couro cabeludo arrepiando, rsrsrs
Mas foi uma excelente leitura.
Obrigada por compartilhar... Bjsssss minha flor

Sucesso pra vc.... Angel Mag

Ineifran Varão disse...

Excelente texto, cara Helena! Não é bom duvidarmos do plano espiritual... rsrs...bjs de muito sucesso.

artes e literatura disse...

Do sobrenatural para uma mensagem tão linda. Eu amo tudo que você escreve e me inspira para um dia mostrar os meus contos. Parabéns, querida! Beijos e carinhos, Aninha

iriagotti disse...

Isso é fantástico! Lembro-me de quando ainda criança, ouvir essa historias arrepiantes. Mas foi uma boa leitura e obrigada por me fazer recordar o passado!

Madele disse...

Como sempre minha grande e linda amiga, o que você escreve é maravilhoso; adorei!! Obrigada por compartilhar tanta coisa linda! Parabéns e sucesso sempre! Beijos.

Helio Thompson disse...

Eu tenho a impressão que nunca estou sozinho, mesmo estando só. Nem que sejam apenas os sussurros, nos meus ouvidos.

Belo texto, bela história.
Beijo.

Blog do Pádua disse...

Belíssimo, minha amiga Helena. Entre a Terra e o céu, existem mil e um mistérios inesplicáveis que nem podemos explicar. O Conto é mais uma obra prima com a sua marca. Narração perfeita com princípio, meio e fim.Muito bem inspirado. Parabéns.
Um beijo.

Blog do Pádua disse...

Belíssimo! Inesplicável! Um conto que dá gosto ler.
Parabéns.

Blog do Pádua disse...

Oi minha amiga Helena. Um conto que ao ler parece real de tão boa é a sua narração. Perfeito! Sem restrição. Aplausos.
Um beijo.

Joaquim Gomes disse...

Muito bom!... Poderia ser tranformado em cinema!... Como este; Existem milhres de casos reais!... Mas poucos acreditam... Parabéns Helena!... Muito convincente!... Beijos... Joaquim Gomes

Claudio Caldas Faria disse...

Gostei muito do texto e do desenrolar.. Parabéns ... Abs